SONETO 76

Print Friendly, PDF & Email

 

Por que meu verso está tão minguado,

 

Sem variação ou rápidas mudanças?

 

Por que com o tempo não olho para o lado

 

Buscando novos métodos e estranhos modos?

 

Por que escrevo da mesma forma, a mesma coisa,

 

E deixo à parte a invenção,

 

Que cada palavra se torne minha conhecida,

 

Mostrando-me de onde vem?

 

Ó, saiba, amor, que é para ti que escrevo,

 

E tu e o amor sois ainda meus assuntos;

 

Então, o melhor que faço é reescrever as velhas palavras,

 

Aplicando novamente o que já foi usado;

 

Como o sol que, a cada dia, é sempre velho e novo,

 

Assim é o meu amor, dizendo tudo que se diz.